Bombeiros do Dafundo



História

Povoação situada a oeste de Lisboa, Dafundo foi em tempos, local nobre e domingueiro, muito apreciado para passeio, almoços, festas e jantaradas, não só de operários mais endinheirados, dado tratar-se da zona mais industrial do Concelho, mas muito especialmente de jornalistas, escritores, filosófos, e outras figuras de relevo, que aqui se deslocavam para um dia bem passado.

"Os estatutos da recém criada Corporação de Bombeiros do Dafundo foram aprovados em 16 de Março de 1913, tendo-lhe sido passado alvará a 3 de Abril desse mesmo ano, e reconhecida de Utilidade Pública, por decreto de 12 de Dezembro de 1933."

Já em 1848, no Dafundo foi estreada a peça em um acto, intitulada “O Noivado no Dafundo”, de Almeida Garrett. Foi assim neste ambiente, que em Março de 1912, um grupo de homens bem formados sentiu a necessidade imperiosa de formar uma Corporação de Bombeiros, pois os incêndios sucediam-se com frequência e o socorro às populações era cada vez mais urgente. Por conseguinte, um grupo de homens, que se reuniam diariamente numa tertúlia de boa pândega, com ânsia deitaram mãos à obra e fundaram a Associação em 11 de Março de 1912, também com o intuito de efectuar serviços de saúde com os seus postos de socorro devidamente equipados.

Nossa Missão

  • a)

    Deter e manter em actividade um corpo de bombeiros voluntários, com a estrita observância no disposto no Regime Jurídico dos Corpos de Bombeiros;

  • b)

    Exercer os direitos e as funções que lhe são atribuídas por lei;

  • c)

    Manter e fomentar o relacionamento institucional com todos os agentes de protecção civil;

  • d)

    Manter e fomentar o relacionamento institucional com as organizações representativas das Associações Humanitárias de Bombeiros, quer a nível Distrital quer a nível nacional ou internacional.

  • e)

    Manter e fomentar o relacionamento com os demais organismos nacionais, regionais e locais, em especial com os organismos tutelares da protecção civil e bombeiros.

  • f)

    Estabelecer protocolos, acordos com outras entidades, públicas ou privadas, nacionais ou estrangeiras;

  • g)

    Pronunciar-se sobre todas as questões que versem sobre o sector da protecção civil e bombeiros, assim como sobre todas as matérias que lhe sejam submetidas para apreciação pelas entidades competentes;

  • h)

    Fomentar a realização de encontros, conferências, concursos e outras acções tendentes a dignificar, valorizar e divulgar a Associação, bem como incentivar a promoção à formação, treino e intervenção dos bombeiros;

  • i)

    Promover a organização de iniciativas baseadas no princípio da cooperação, tendo em vista a autonomia financeira da Associação;

  • j)

    Decidir os conflitos que sejam submetidos ao Conselho Disciplinar;

  • k)

    Fomentar o espírito do associativismo e do voluntariado junto da população e das entidades públicas e privadas;

  • l)

    Promover a imagem dos bombeiros junto dos meios de comunicação social; n) Cumprir e fazer cumprir a lei e os regulamentos em vigor, no âmbito das suas competências.

Mensagens